Matéria exibida pelo jornal da globo no dia 23/04/2010 as 00h32m

terça-feira (20/04), A TV Anhangüera(afiliada Rede Globo), enviou o jornalista Fábio Castro para gravar uma reportagem sobre a pirataria em Jaraguá, que foi ao ar nesta quinta-feira (23/04 as 00h32m) no Jornal da Globo em rede nacional para todo o país.



Cidade brasileira se especializou em falsificar roupas
No interior de Goiás, uma promotora de justiça está travando uma batalha contra donos de confecções, contadores, policiais e fiscais da Receita. Fábio Castro Jaraguá, GO



Ela acusa fabricantes de roupas de falsificar grifes famosas, vendidas depois para todo o país.

A promotora Juliana França passou a sofrer ameaças depois que começou a investigar, há um ano, um esquema de falsificação de roupas na cidade de Jaraguá, que fica a 120 quilómetros de Goiânia.

"O pneu do meu carro foi rasgado com canivete. A minha cachorra foi envenenada, jogaram uma cobra na minha casa".

No fórum recém-construído, o depósito com os produtos apreendidos já está lotado de matéria-prima e roupas falsificadas de marcas conhecidas, nacionais e internacionais. Entre elas 100 mil peças apreendidas em Janeiro que estavam em 30 depósitos espalhados pela cidade.

Um deles escondia atrás da fachada de uma casa, a poucos metros do fórum. Em uma operação, a máquina de costura foi apreendida justo na hora em que as camisas eram bordadas com a marca de uma grife famosa

Segundo os investigadores, a máquina e as roupas que estavam sendo bordadas pertencem a Cláudio Crisóstemo, que é dono de uma confecção na cidade. Ele nega produzir roupas falsas.

"O povo está fazendo tempestade em copo d´água, coisa que não existe, ou, às vezes, um e outro está difamando a cidade inteira", afirma Cláudio.

Em outra confecção, também investigada por falsificação, o dono não permitiu a entrada da equipe do Jornal da Globo. João Alberto Ribeiro, que responde ao processo em liberdade, também alega inocência.

Segundo o Ministério Público, a indústria de falsificação em Jaraguá chega a produzir um milhão e meio de peças por mês. 80% dos 800 fabricantes de roupa da cidade estariam envolvidos com a pirataria.

Na lista dos investigados estão 41 pessoas: são donos e gerentes de confecções, fornecedores de peças, fiscais da Receita, contadores e até policiais estariam agindo como informantes, fornecendo dados sobre operações de combate à pirataria ou ajudando a esconder a produção ilegal.

Apesar dos fortes indícios, na cadeia de Jaraguá não existe nenhum preso condenado por algum tipo de envolvimento com a falsificação de roupas.

O Ministério Público e a polícia civil ainda estão investigando esse comércio ilegal para concluir o que já está sendo chamado de o maior inquérito aberto até hoje na cidade sobre o assunto.

No inquérito foram incluídas conversas telefónicas gravadas com autorização da Justiça.

Comprador: "eu trabalho aqui na região do Tocantins";
Falsificador: "certo";
Comprador: "ele disse que você fornece, que você faz uma calça boa, né?";
Falsificador: "ahã!";
Comprador: "é marca própria ou é só falsificada, Mário?";
Falsificador: "uai, tenho as duas".

Mesmo depois de flagradas, produzindo roupas piratas, as confecções voltam a funcionar. Sinal de que só a fiscalização já não intimida mais.

Compradora: "e aí, pegaram roupa sua?";
Falsificadora: "pegou, uai!";
Compradora: "mesmo?";
Falsificadora: "pegou foi de todo mundo aqui!";
Compradora: "nossa!";
Falsificadora: "então, agora na semana que vem a gente começa, está começando de novo, semana que vem já tem de novo, né".

"Isso é vergonhoso para a cidade e para os cidadãos de bem que estão de certa forma presos nessa cadeia de falsificação mais que tem a possibilidade de passar para a legalidade e conviver de uma forma tranquila, pacífica, sem medo de mais cedo ou mais tarde baterem na sua porta e fazer uma apreensão de mercadorias ilícitas em sua casa".
Aniversário de Brasília tem protesto contra corrupção Capital do país comemora 50 anos nesta quarta-feira, 21 de abril. Distrito Federal corre risco de intervenção federal devido à escândalo político.


Manifestantes mostram faixa após a solenidade de hasteamento da bandeira nacional. Ao fundo, passa o governador do Distrito Federal, Rogério Rosso.

O governador do Distrito Federal, Rogério Rosso (PMDB), participou nesta quarta-feira (21) da cerimônia de hasteamento da bandeira nacional, no dia do aniversário da capital. Manifestantes acompanharam a cerimônia com uma faixa com as frases: "Brasília 50 anos!! Pra comemorar, soltaram a quadrilha!!. Outros usavam nariz de palhaço.


O governador do Distrito Federal, Rogério Rosso,
durante a solenidade de hasteamento da bandeira
nacional

O Distrito Federal enfrenta uma crise política desde que a Polícia Federal deflagrou, em novembro de 2009, a Operação Caixa de Pandora, que investiga um suposto esquema de distribuição de propina no governo distrital, envolvendo o primeiro escalão do Executivo local.

As denúncias levaram à prisão e afastamento, em fevereiro, do então governador José Roberto Arruda (sem partido. ex-DEM) por tentativa de suborno de uma testemunha do caso.

Durante a prisão, Arruda teve o mandato cassado pelo TRE-DF por infidelidade partidária, deixando vago o cargo. Arruda foi solto pelo Superior Tribunal de Justiça no dia 12 de abril, após dois meses preso. Outros cinco envolvidos na tentativa de suborno que também estavam presos foram soltos no mesmo dia.

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, pediu ao Superior Tribunal Federal uma intervenção federal no DF devido às denúncias. O susposto esquema de pagamento de propina ficou conhecido como Mensalão do DEM.

Rosso tomou posse na segunda-feira (19), após vencer a eleição indireta realizada na Câmara Legislativa no último sábado (17). O novo governador do DF fez parte do governo Arruda e também de seu antecessor, Joaquim Roriz.


Manifestantes usam nariz de palhaço durante festa de aniversário de Brasília.
Contas externas têm o maior déficit para o 1º trimestre desde 1947 Nos três primeiros meses deste ano, rombo somou US$ 12,1 bi, diz BC. Investimentos estrangeiros totalizam US$ 5,65 bilhões no primeiro trimestre.






saiba mais

Balança comercial tem superávit de US$ 790 milhões no início de abril A conta de transações correntes, que é composta pela balança comercial, pelos serviços e pelas rendas, registrou um déficit de US$ 12,14 bilhões no primeiro trimestre deste ano, informou nesta quinta-feira (22) o Banco Central. Segundo a instituição, esse é o resultado negativo mais acentuado, para o primeiro trimestre de um ano, desde 1947.

Até o momento, o maior rombo das contas externas para os três primeiros meses de um ano havia sido registrado no ano de 2008, quando o déficit totalizou US$ 10,26 bilhões. No ano passado, o resultado negativo somou US$ 4,93 bilhões. Deste modo, houve um crescimento de 145% no déficit em igual período deste ano.

O chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Altamir Lopes, observou, porém, que, na proporção com o PIB, o déficit em conta corrente do primeiro trimestre deste ano somou 2,63% e, nos 12 meses até março de 2010, totalizou 1,79%. Ele lembrou que, no passado, o déficit chegou a patamares bem maiores, como em 1982, antes da moratória da dívida externa brasileira, quando somou 6% do PIB, ou em 1999 (4,32% do PIB), quando o país teve de desvalorizar o real. Com US$ 245 bilhões de reservas internacionais, disse ele, as contas externas deixaram de ser um "problema".

Crescimento econômico
A forte deterioração das contas externas no primeiro trimestre deste ano está relacionada com o crescimento da economia brasileira. Com a economia crescendo mais, aumentam as importações e, com isso, o resultado positivo da balança comercial fica menor. Nos três primeiros meses de 2010, as operações comerciais trouxeram US$ 892 milhões para o Brasil, contra o ingresso de US$ 2,98 bilhões no mesmo período do ano passado.

Também sobem as remessas de lucros e dividendos ao exterior, além dos gastos de turistas brasileiros no exterior, entre outros. No primeiro trimestre deste ano, as remessas de lucros e dividendos somaram US$ 4,58 bilhões, contra US$ 3,55 bilhões em igual período de 2009, ao mesmo tempo em que a conta de viagens internacionais ficou negativa em US$ 1,68 bilhão, contra o déficit de US$ 495 milhões nos três primeiros meses do ano passado.

Para todo ano de 2010, justamtente por conta da previsão de um crescimento econômico acima de 5%, o BC manteve a expectativa de um rombo de US$ 49 bilhões na conta corrente. Caso o valor seja confirmado, este será o maior déficit desde 1947 para um ano fechado. Até o momento, o maior déficit em conta-corrente foi registrado em 1998 (US$ 33,4 bilhões), de acordo com o BC.

Investimentos diretos
No caso dos investimentos estrangeiros diretos, o ingresso somou US$ 5,65 bilhões nos três primeiros meses deste ano. Com isso, houve um crescimento de 5,8% na comparação com igual período do ano passado (US$ 5,34 bilhões). O ingresso de investimentos estrangeiros diretos na economia, portanto, não foi suficiente para financiar metade do déficit em transações correntes do primeiro trimestre.

Perseguição policial a moto causa acidente com sete veículos na Dutra







Motociclista fugiu da PM porque estava sem carteira de motorista.
Duas pessoas ficaram feridas; motociclista não tinha passagem pela polícia.

Um motociclista que tentou fugir de uma blitz da Polícia Militar causou um acidente envolvendo sete veículos na Rodovia Presidente Dutra no início da madrugada desta quinta-feira (22). Ele foi perseguido por cerca de 10 km e tentou escapar da fiscalização por que estava sem carteira de motorista.

Em alta velocidade, a moto que fugia da polícia bateu em um carro e depois foi atingida pelo carro da PM que vinha logo atrás. Em seguida, três caminhões e uma moto se envolveram na batida. O trânsito chegou a ficar interrompido na Dutra na região de Guarulhos, na Grande São Paulo.

A perseguição começou na Avenida Aricanduva, na Zona Leste da capital paulista. Os dois ocupantes da moto não obedeceram a uma sinalização da polícia para encostar, porque a moto não tinha placas. A perseguição continuou pela Rodovia Fernão Dias e só terminou na Dutra.

Os dois rapazes que estavam na moto foram levados para o Hospital Geral de Guarulhos. Um deles está em coma. O outro também ficou muito ferido, mas está fora de perigo. O motociclista que conduzia a moto não tinha passagem pela polícia. Ele foi autuado pela falta de habilitação e por direção perigosa.